Redes Sociais

Lazaro Ramos conta detalhes de sua infância no bairro da...

Em entrevista a apresentadora Cristiana Fernandes, Lazaro contou um pouco sobre...

Zumbido no ouvido atinge cerca de 28 milhões de brasileiros

Um aparelho de som na palma da mão faz parte da vida de todo mundo. Junto a...

Falta de doadores pode comprometer estoque de sangue do...

Durante a estação mais quente do ano, existe uma redução considerável para...

Salvador recebe debate sobre cultura do estupro

O evento que acontece no Centro Cultural de Plataforma, em Salvador, tem...

Zumbido no ouvido atinge cerca de 28 milhões de brasileiros

Um aparelho de som na palma da mão faz parte da vida de todo mundo. Junto a esta praticidade pode vir um grande incômodo; um apito de uma panela de pressão, o som do chuveiro caindo ou o canto da cigarra, é assim que as pessoas que sofrem com este distúrbio descrevem o som que elas ouvem. Trata-se de um ruído que está sempre presente, pode passar despercebido ás vezes, mas em outras ocasiões pode ser enlouquecedor.

Karem Valentim, Produtora Cultural diz que a frequência ao ouvir músicas no fone de ouvido, lhe trouxe consequências não muito agradáveis. “Uso o fone de ouvido frequentemente, acho normal de acontecer, mas o som que escuto após ouvir a música é aparentemente de uma mosca, me incomodando, não consigo tirar de nenhuma forma”. Conclui.

O chama do zumbido no ouvido perturba cerca de 17% da população mundial, de acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), no Brasil, o problema afeta 28 milhões de brasileiros e a principal causa acaba sendo o excesso do barulho. Seja no atacado dos grandes shows ou no varejo dos fones de ouvido.

“O zumbido é o sintoma bastante desagradável que pode estar associado às situações mais severas e precisa de avaliação do especialista, Otorrinolaringologista. Porque pode ser uma simples cera, assim como outras doenças mais graves, doença do ouvido médio, uma doença do ouvido interno, algumas doenças vasculares que podem apresentar, assim como perdas auditivas que precisam ser investigadas.” Diz Otorrinolaringologista, Amaury Gomes.  

Um estudo realizado no Brasil, com 160 jovens, de 11 a 17 anos, mostrou que 54% deles já declararam, terem tido zumbido no ouvido.

Outro dado mostra que quatro em cada cinco deram importância a ele, um agravo, podendo tornar o problema permanente.

O limite máximo permitido por lei é de 85 decibéis, mas um aparelho de Mp3 pode chegar a atingir 110 decibéis.

Perguntamos se Vitor Santos, Garçom escuta música alta. “Sim!” Perguntamos se mesmo causando prejuízo ao ouvido ele diz: “Porque assim, pra mim, eu já acostumei a ouvir música alta, então, mesmo sabendo que vai prejudicar, escuto”.

Amaury, alerta para o transtorno causado. “O fone de ouvido, quanto mais alto você tem uma frequência maior, você tem que reduzir o tempo de exposição, então de acordo com cada um 95, 100 decibéis, 105, 110,115, 120 decibéis você tem que ir reduzindo cada vez mais o tempo de exposição, para inclusive, ter um repouso auditivo do nervo”.

Alguns países como Canadá, têm leis que limitam o volume máximo na fabricação de Mp3. No Brasil, não há restrição.

Emerson Miranda | Jorge Farias