Redes Sociais

Lazaro Ramos conta detalhes de sua infância no bairro da...

Em entrevista a apresentadora Cristiana Fernandes, Lazaro contou um pouco sobre...

Zumbido no ouvido atinge cerca de 28 milhões de brasileiros

Um aparelho de som na palma da mão faz parte da vida de todo mundo. Junto a...

Falta de doadores pode comprometer estoque de sangue do...

Durante a estação mais quente do ano, existe uma redução considerável para...

Salvador recebe debate sobre cultura do estupro

O evento que acontece no Centro Cultural de Plataforma, em Salvador, tem...

Uma pesquisa de 2005 apontou que 23% dos casais já dormiam em camas separadas.

O que para os solteiros é um barulhinho de nada, para os casais é um som ameaçador. É cada vez maior o número de casais dormindo em camas separadas por causa do barulho desagradável.

“Olha bem, eu não sei se eu ronco, porque na hora estou dormindo, mas eu acho que eu não ronco porque ninguém se incomodou e reclamou até hoje. Agora eu tenho um irmão que ronca muito.” Aponta o guia turístico, Adalfran Santos.

Cristiano Reis, operador industrial diz que não ronca, mas que seu pai, chega a incomodá-lo. “Eu não ronco mais tem meu pai que ronca pra caramba, incomoda, de vez em quando, estou lá “futucando” ele pra ele não roncar. Na verdade é uma coisa insônia alguma coisa que ele tem entende. Até pedi para que ele procurasse um médico pra ver o que é”.

Uma pesquisa de 2005 apontou que 23% dos casais já dormiam em camas separadas. A estimativa no ano de 2015 foi de que esses índices foram praticamente o dobro. Apesar do barulhinho, o incomodo que o ronco causa e o que preocupa os médicos pode ser um problema ainda mais grave: a apneia do sono. Quando a passagem do ar é abstruída comprometendo a respiração.

Segundo o médico otorrinolaringologista, Amaury Gomes “O ronco é uma doença respiratória do sono chamado ronco primário. E nós temos ainda mais duas categorias que é uma síndrome de resistência das vias aéreas e levando a apneia obstrutiva do sono que é a doença máxima que precisa de um cuidado ainda maior”.            

Além do ronco, as pausas na respiração durante a noite podem desenvolver hipertensão, aumentando e muito o risco de um acidente vascular cerebral (AVC), ou até mesmo um infarto.

“Ser portador da apneia do sono não tratada aumenta o risco de acidente de tráfego, acidente de trabalho, dificuldade de concentração, às vezes, insônia associado”. Diz o doutor Gomes.

A apneia atinge de 3% a 7,5% dos homens e de 1,2% a 4,5% das mulheres.     

“Tratamento primordial é perda de peso, seja, sobre peso ou obesidade porque a obesidade está muito ligada a ronco e a apneia do sono. Tratar o refluxo gastroesofágico, tratar os processos de inflamação no nariz, na garganta tipo: sinusite renite, amigdalites são tratadas deve ter uma regularidade de atividade física, deve evitar bebidas cafeinadas, achocolatados de preferencia e também alguns medicamentos como relaxantes musculares.” Explica o especialista Amaury.

Por tanto, pelo bem da saúde, é preciso cuidar do sono e pelo bem do casamento, exercitar a paciência.

Gilson, Balconista diz: “Tem dia que incomoda, tem dia que o sono está muito forte aí você tem que tolerar e tentar dormir”.   

 

Jorge Farias